sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Brasil e Suécia realizam primeira reunião sobre andamento do processo de compra

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com 
Fotos: Agencia Força Aérea/ Cb V. Santos
Representantes do Brasil e Suécia discutiu aspectos técnicos  Agência Força Aérea/Cb V.SantosO Ministro da Defesa, Celso Amorim, e o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, receberam o Secretário de Defesa da Suécia, Carl von der Esch, o Comandante da Força Aérea, General Michael Bydén, e comitiva na tarde desta quarta-feira (15/01). Esta é a primeira visita da delegação depois do anúncio da escolha do avião de caça. A reunião teve como objetivo trocar informações sobre o andamento do processo de compra pelo Brasil dos 36 Gripen NG.
Amorim reiterou que a escolha do governo brasileiro pelas aeronaves seguiu os critérios de preço, transferência de tecnologia e performance, destacando que a decisão priorizou aspectos técnicos do avião.  De acordo com o ministro, a indústria brasileira está otimista com a parceria.
O secretário de defesa sueco destacou que o governo da Suécia recebeu com satisfação a notícia sobre a decisão do país, anunciada em 18 de dezembro de 2013, e reiterou que foi um longo processo, “de muitos anos”. “Foi uma decisão muito positiva tomada pelo Brasil”, afirmou.
Pela manhã, a comitiva composta por oito integrantes participou de uma reunião na Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC). De acordo com o Presidente da COPAC, Brigadeiro do Ar José Augusto Crepaldi Affonso, a visita do governo sueco é importante à medida que sinaliza que a decisão pelo caça Gripen tem uma dimensão muito maior do que meramente industrial, comercial e tecnológica. “Demonstra que o governo pode estreitar a cooperação na área militar”, afirma.  O oficial-general ressaltou que a Suécia é um país neutro, pacífico e democrático, com valores muito parecidos com o Brasil.
Grupo de trabalho – Logo após o encontro, uma reunião entre representantes brasileiros e suecos discutiu aspectos técnicos. O Secretário-Geral do Ministério da Defesa, Ari Matos Cardoso, informou que o processo de compra será conduzido pelo Comando da Aeronáutica e será formado um grupo de trabalho interministerial, coordenado pelo Ministério da Defesa. Integrarão a equipe os Ministérios do Planejamento, Orçamento e Gestão; da Fazenda; da Ciência, Tecnologia e Inovação; Indústria e Comércio Exterior e Relações Exteriores. “Eles  devem estruturar as informações para manter o governo informado de tudo”, afirmou. A indicação dos participantes e o que se espera de cada área deverá ser concluída até fevereiro.
Fonte: Agencia Força Aérea