terça-feira, 6 de setembro de 2011

FAB lança foguete de treinamento em Alcântara (MA).

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com                            
                                                                                                                             
Um foguete foi lançado na tarde desta sexta-feira (2/09), do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão. O engenho aeroespacial, com mais de cinco metros de comprimento e 300 kg, não levava nenhum experimento ou satélite para o espaço. Em quatro minutos, atingiu a altitude de 52 mil metros e caiu no Oceano Atlântico. Mas neste curto voo cumpriu uma missão importante ao oferecer uma rara oportunidade de treinamento. O lançamento faz parte Operação FOGTREIN (acrônimo de foguete de treinamento), que começou no último dia 15/08, e serve como exercício prático para o efetivo do CLA e militares de outras unidades da FAB envolvidos no programa espacial.


Os lançamentos do programa espacial são atividades consideradas extremamente complexas e ocorrem em média apenas duas vezes por ano. Esses grandes intervalos entre os lançamentos acabam afastando os militares da atividade fim dos Centros de Lançamento. “Os foguetes de treinamento nos ajudam a aumentar o número de campanhas de lançamento, e desta forma elevam o nível operacional dos nossos militares”, revelou o coordenador de lançamento, Tenente Coronel Aviador Paulo Junzo Hirasawa.


O foguete lançado nesta sexta-feira permite que os militares cumpram todas as etapas exigidas em um lançamento de grande porte, como o do Veículo Lançador de Satélites: preparação, lançamento propriamente dito e rastreamento. Isso faz com que a situação vivenciada pelos militares e técnicos seja idêntica a de um lançamento de um veiculo muito mais complexo. A situação exige, por exemplo, que uma extensa seqüência de providências sejam tomadas checando-se item por item dentro de uma cronologia que tem como ponto alto a hora do lançamento.


Essa contagem regressiva muitas vezes era cancelada por causa de pequenos problemas. Com a freqüência dos exercícios esses adiamentos praticamente desapareceram. “É sensível o salto de qualidade que exercícios como esses proporcionam”, afirma o Coronel Aviador Ricardo Rodrigues Rangel, diretor do CLA. Todo o pessoal envolvido nas operações acaba aprimorando as técnicas e o resultado melhora a cada exercício”, disse o Coronel Rangel. As vantagens são tantas que o CLA planeja aumentar o número de lançamentos desse tipo até que chegue a sete por ano.
Fonte: Agência Força Aérea