quarta-feira, 25 de setembro de 2013

LAÇADOR – Aeronaves de várias partes do país dividem hangar na Base Aérea de Canoas

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

  Uma grande movimentação de aeronaves marcou o início da Operação Laçador na Base Aérea de Canoas (BACO), no Rio Grande do Sul. O Primeiro Esquadrão do Décimo Quarto Grupo de Aviação (1°/14° GAV), Esquadrão Pampa, e o Quinto Esquadrão de Transporte Aéreo (5º ETA), Esquadrão Pégaso, receberam em suas instalações aviões que estão entre os mais de 60 empregados no exercício simulado que começou no dia 16/09, nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Para que tudo desse certo, o trabalho integrado dos militares do esquadrão e dos especialistas do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Canoas (DTCEA-CO) foi fundamental. 
As aeronaves dos sete esquadrões visitantes ocupam o pátio antes destinado somente aos caças F-5M e às aeronaves de transporte C-97 e C-95M. O resultado foi a mudança na rotina de chegada e partida e a realocação das aeronaves nos hangares da BACO.
“Sabíamos que chegaria uma grande quantidade de aeronaves e pensamos na logística e na acomodação das aeronaves no pátio”, conta o Capitão Aviador Bernardo Schuch de Castro. 

O Esquadrão Pampa se prepara para a Laçador há duas semanas. O 1º/14º GAV, além de receber as unidades militares, vai participar de missões de varredura, combate e defesa aérea com seus caças F-5M durante o exercício simulado. Antes da operação coordenada pelo Ministério da Defesa, os pilotos da unidade militar participaram da Ágata 7. Já o Esquadrão Pégaso atua no Transporte Aéreo Logístico durante a operação. 

“Uma operação como a Laçador é muito importante para os pilotos de caça. A Laçador se aproxima do que seria uma missão real com uma grande quantidade de aeronaves no espaço aéreo. O ganho operacional é muito grande, porque as ações ampliam a consciência situacional do aviador em cenários deste porte”, explica o Capitão Aviador Castro.

Tráfego aéreo
  De acordo com o Comandante do Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Canoas (DTCEA-CO), Capitão Especialista em Meteorologia Julio Cesar de Souza, as operações aéreas triplicaram na semana que antecedeu a Laçador.
“Há dois meses começou o trabalho de integração entre as unidades militares envolvidas na operação. A partir de então, nós adequamos o trabalho ao maior fluxo aéreo na área em que atuamos. A mudança meteorológica é muito rápida nesta região, e a missão é fazer a aeronave chegar ao solo com segurança. A nossa preparação é muito importante em uma operação deste porte com o envolvimento dos dos caças F-5M, que chegam com pouco combustível e precisam pousar rapidamente”, explica o militar.

Além da Base Aérea de Canoas, a Base Aérea de Santa Maria (RS) e a Base Aérea de Florianópolis (SC) também cumprem sua principal missão de apoiar as unidades aéreas envolvidas na Operação Laçador.
Sobre a Operação Laçador
A Operação Laçador é um exercício simulado sob a coordenação do Ministério da Defesa, com a participação de militares da Força Aérea Brasileira (FAB), da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro. As missões desenvolvidas, simultaneamente, nos estados do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. O exercício começa nesta segunda-feira (16/09) e termina no dia 27 de setembro.


Fonte: Agência Força Aérea