terça-feira, 23 de maio de 2017

Morador de Tanabi recebe transplante de coração no HB em Rio Preto

Renan Contrera

Um morador de Tanabi recebeu na madrugada desta terça-feira, 23, transplante de coração no Hospital de Base de São Jose do Rio Preto. Este foi o primeiro transplante do coração neste ano, e este tipo de transplante de coração não era realizado desde abril de 2013. O estado de saúde dele é grave e estável, segundo o HB.
Foto: Divulgação/Hospital de Base
O transplante ocorreu na
 madrugada desta terça-feira, 23
 O trabalhador rural aposentado Divino Ribeiro de Almeida, 61 anos, é morador de Tanabi e estava internado na UTI do Hospital de Base em São Jose do Rio Preto desde 21 de abril e entrou na fila de transplante em 26 de abril. Recebeu o órgão de uma mulher de 27 anos, vitima de acidente de transito que estava há seis dias internada num hospital de Campinas.

A equipe médica do hospital informou que Divino tinha uma miocardiopatia chagásica, que comprometia o funcionamento do coração e o bombeamento de sangue para o corpo, e que dependia de medicamentos para que o órgão funcionasse.

O transplante ocorreu na madrugada de segunda para terça-feira, 23 sendo o primeiro transplante deste ano e de numero 90 deste procedimento que teve inicio em 2000.
                                                                                        Foto: Divulgação/Arquivo da Família
Divino que aparece na foto com a esposa
esta em estado de saúde e 
estável
Segundo informações da assessoria do HB até as 15h45, Divino estava internado na UTI do HB e o estado de saúde era grave e estável.

A reportagem entrou em contato com familiares que disseram que estavam indo para Rio Preto conversar com os médicos, pois o órgão teve rejeição no organismo de Divino.

Para que um coração seja transplantado em condições satisfatórias, entre a retirada do doador e o transplante para o recepto deve ocorrer, no máximo em quatros horas. Na noite de segunda-feira foi uma corrida contra o tempo, onde cada segundo era contado pelos profissionais do HB foram necessárias 3 hora e 15 minutos para a retirada do órgão no hospital em Campinas até em Rio Preto no HB, sendo o transporte foi por veículos e avião.

No hospital tem três pacientes sob o acompanhamento da equipe medica que também aguardam na fila de transplante por um órgão compatível.


Fontes: Hospital de Base | Diário da Região