quarta-feira, 1 de junho de 2011

Helicóptero da Força Aérea socorre passageiros de avião que fez pouso forçado.

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com



A Força Aérea Brasileira (FAB) resgatou nesta quarta-feira (1/6), por volta das 6h30 da manhã, todos os tripulantes da aeronave PT- RAT, modelo PA-31, que fez um pouso forçado no final da tarde da terça-feira (31/5). O avião seguia de Belém para Monte Dourado, na Ilha do Marajó. Foram resgatados todos os nove ocupantes da aeronave. Os passageiros faziam parte da equipe de uma empresa que visitariam o Projeto Jari. 



O piloto da aeronave relatou que houve uma falha do motor esquerdo em voo. Decidiu, então, retornar à capital paraense, mas acabou pousando em uma área plana a cerca de 54 km de Belém, próxima à Vila Ponta de Pedra, na ilha de Marajó. Uma equipe do Esquadrão Falcão (1º/8º GAV) foi acionada ontem (31/5) às 23h30 para efetuar o resgate da aeronave. Na missão foi utilizado um helicóptero H-1H, que decolou tão logo houve condições para o voo.

 “Fizemos um planejamento e, na manhã de hoje, às 6 horas, ao nascer do sol, voamos para a localidade onde se encontrava o avião. A região lá é formada em sua grande parte por áreas alagadas, de charco, mas o avião pousou em um terreno seco. Quando chegamos ao local avistamos a aeronave com certa facilidade e os passageiros acenando para a tripulação do nosso helicóptero”, ressalta o Capitão Aviador Fábio Luís Valentim, comandante do helicóptero que efetuou o resgate. “Todos estavam bem fisicamente, só aparentavam um pouco de cansaço”, afirma.
Uma das passageiras do voo, Danielle Lima, 29 anos, conta como foram os momentos desde o pouso forçado até o resgate.

“Apareceu uma pessoa que era a proprietária do terreno onde pousamos e nos fez companhia por duas horas. Ela falou que nós podíamos passar a noite na casa dela, mas o sítio ficava a cerca de uma hora e meia do local de onde a gente estava e que a caminhada era difícil. Então decidimos permanecer na aeronave e esperar o resgate. Não tínhamos muita água nem comida. Algumas pessoas dormiram na asa do avião. Pela manhã a aeronave da FAB chegou e nos resgatou”, afirma Danielle Lima. Depois da experiência inusitada, Danielle Lima, agradeceu a equipe de resgate. “Antes de enxergarmos o helicóptero a gente escutava que a aeronave estava chegando. Foi um grande alívio. Agradecemos de verdade, não sei o que seria da gente sem eles”, diz.