terça-feira, 1 de maio de 2012

ÁGATA 4 – Na Amazônia, Hospital de Campanha da Força Aérea fará atendimento inédito em balsas

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com



ÁGATA IV - Roteiro do Hospital de Campanha da Força Aérea BrasileiraPela primeira vez, o Hospital de Campanha da Força Aérea Brasileira será montado em uma balsa e percorrerá o Rio Negro, no Estado do Amazonas, para o atendimento da população ribeirinha do distrito de Moura e da cidade de Barcelos (490 km de Manaus) durante a Operação Ágata 4. Cerca de 26 mil pessoas vivem nessa região, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
A partida da balsa ocorrerá após uma cerimônia militar, às 14h, nesta terça-feira (1/05), no porto do Destacamento de Apoio à Comara de Manaus. Na ocasião, a imprensa poderá visitar as instalações do Hospital.
A FAB mobilizou mais de mil militares para a Operação Ágata 4, que contará com aviões de caça, de patrulha, de reconhecimento, de transporte logístico e de busca e resgate. A área de operações abrange uma faixa de 150 quilometros, desde Cucuí, no Amazonas, até a cidade de Oiapoque, no Amapá. Ao todo, a operação acontece em uma extensão de mais de 5 mil quilometros na fronteira com quatro países: Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. A área total da Operação Ágata é maior do que a extensão territorial de Portugal e Espanha.
O Hospital de Campanha (HCAMP) oferecerá atendimento ambulatorial nas especialidades de clínica médica, dermatologia, ortopedia, pediatria, ginecologia (inclusive com exame preventivo) e odontologia, além de realizar exames como raio-X, ultrassom e hemograma (sangue). A unidade de saúde da Força Aérea tem capacidade para realizar 350 atendimentos por dia, incluindo até 40 exames preventivos na área de ginecologia – a paciente sairá do hospital com o resultado do exame e, nos casos positivos, as pacientes serão encaminhadas para hospitais oncológicos de referência em Manaus.
Duas balsas da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA), braço operacional da Força Aérea responsável pela construção de pistas na região norte, foram preparadas para a instalação do HCAMP e da estrutura de apoio. Trinta e cinco militares da área de saúde, mais equipes de intendência e de segurança, participarão desse trabalho.
Em uma das balsas, numa área de 975 metros quadrados (65 metros x 15 metros), serão montados módulos (barracas) para o atendimento ambulatorial, para a realização de exames e instalação de farmácia, além de uma infraestrutura para emergências. “A vantagem disso é que poderemos ir a duas localidades diferentes em um curto espaço de tempo”, afirma o Tenente-Coronel Médico Roberto Thury, comandante do HCAMP.
A segunda receberá toda a infraestrutura de apoio para o funcionamento do hospital: uma Unidade Celular de Intendência (UCI), equipada, por exemplo, para a preparação da alimentação diária, mais segurança e comunicação, por exemplo.
foto
As balsas partirão de Manaus, pelo rio Negro, com destino ao distrito de Moura, onde o atendimento deverá acontecer de 4 a 5 de maio, onde as embarcações de linha normalmente atracam. No dia seguinte, a estrutura será deslocada para Barcelos, num trecho de 90 km, e instalada em frente à escadaria da igreja da cidade. Conforme acordo fechado com a Prefeitura de Barcelos, os atendimentos serão agendados pela Secretaria Municipal de Saúde.
Mais informações: (61) 9655-5527 ou imprensa.fab@gmail.com. A imprensa poderá acompanhar a partida da balsa, em Manaus: DACO MANAUS Destacamento de Apoio à Comara de Manaus (acesso pela porta da Vila Militar Rio Negro (em frente ao Porto Chibatão) na Colonia Oliveira Machado, próximo ao VII COMAR. Horário: 14h.
HCAMP – Um hospital de campanha é uma unidade móvel de saúde, para curto período de internação e destinado a atender feridos em combate. A atividade de medicina de campanha começou no início dos anos 80 e sua estrutura foi usada para o socorro de vítimas de tragédias, como no caso dos terremotos no México (1982), em El Salvador (1986), no Haiti (2010) e no Brasil (Rio de Janeiro, 2005, e Santa Catarina, 2008), por exemplo. Na Operação Ágata, o HCAMP terá somente infraestrutura para atendimento ambulatorial.
COMARA – Em 55 anos, essa unidade da Força Aérea realizou 262 obras aeroportuárias na região Norte do país. A maior parte do material de construção empregado chegou aos canteiros de obras por meio das balsas da COMARA. Uma obra para a construção de pista pode consumir cerca de 180 mil sacos de cimento, por exemplo. Se o material fosse transportado em aviões, seriam necessárias 1.500 viagens em aviões de transporte como o C-105 Amazonas. Cada viagem de balsa pode levar cerca de 20 mil sacos de cimento. Veja fotos da COMARA:


Fonte: Agência Força Aérea