quarta-feira, 15 de agosto de 2012

ÁGATA 5: Segurança de Voo é prioridade

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com
                                                                                       Foto: Agencia Força Aérea 

A Força Aérea Brasileira tem uma célula dedicada exclusivamente à Segurança de Voo atuando na Operação Ágata 5. Formada por dois oficiais com larga experiência, a célula faz parte do Sistema de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos. “Nosso trabalho é atuar diretamente na prevenção de acidentes e verificar se os pilotos, mecânicos e demais envolvidos nas operações aéreas estão seguindo todas as recomendações de segurança”, revela o Tenente Coronel Max Adolfo Nardes, Oficial de Segurança de Voo há mais de 12 anos e responsável pela atividade na Ágata 5. 
O Tenente Coronel Nardes é formado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), principal órgão de segurança de voo do País. Segundo ele, um dos maiores fatores de risco de acidente é o chamado perigo aviário, ou seja, a possibilidade de um choque entre aves e aeronaves principalmente nas proximidades dos aeroportos. “Na fase de aterrisagem ou de decolagem, as aeronaves ficam em altitudes onde pode haver concentração de pássaros. Às vezes, a ave atinge o motor, podendo até causar uma falha crítica para o funcionamento do avião”, explica. 

Segundo o Tenente Coronel Nardes, é preciso monitorar a existência dos pássaros perto dos aeródromos e também aumentar o nível de consciência dos pilotos sobre o problema. “Os pilotos devem estar atentos para este tipo de ocorrência”, diz ele. As aves mais comuns perto dos aeroportos da região da Ágata 5 são os quero-quero e as garças. O CENIPA registrou 14 ocorrências de colisões entre aviões militares e aves na Região Sul, em 2012. Todas elas foram com o quero-quero.

Dentro do objetivo de reduzir ao máximo os riscos de acidente, a célula de Segurança de Vôo da Ágata 5 fez vistorias operacionais nos aeroportos de Santa Rosa (RS), Maringá (PR) e Dourados (MS). Nestas inspeções, são verificadas as condições de segurança de voo dos aeroportos e itens como: pátio de estacionamento de aeronaves, abastecimento de combustível, existência de equipe médica de emergência e as condições dos equipamentos de combate a incêndio. São recomendadas caminhadas na pista e no pátio em busca de objetos largados que possam ocasionar danos aos aviões. “A atividade de prevenção deve envolver a todos para que possamos atingir nosso maior objetivo que é manter o índice zero de acidentes na Ágata 5”, afirma o Tenente Coronel Nardes.


Fonte: Agência Força Aérea