sábado, 25 de maio de 2013

ÁGATA 7 – (Vídeo) P-3AM realiza missão de reconhecimento aéreo ao longo da fronteira

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com


Durante a Operação Ágata 7 a Força Aérea Brasileira (FAB) está realizando missões de reconhecimento aéreo em toda a fronteira seca do país. O Primeiro Esquadrão do Sétimo Grupo de Aviação (1º/7º GAV – Orungan), que emprega a aeronave de patrulha P-3AM, tem feito a vigilância de extensas áreas no Brasil.
Durante as missões, os militares que atuam operando os modernos sensores eletrônicos da aeronave, enviam imagens e vídeos em tempo real para o Centro de Operações Aéreas (COA), erguido ao lado do Comando-Geral de Operações Aéreas (COMGAR), em Brasília (DF). Caso encontrem algum ilícito, o COA pode acionar outra Força Armada (Exército Brasileiro ou Marinha do Brasil) ou órgão do Governo Federal (Polícia Federal, IBAMA) para atuar, dependendo da situação. Os sensores podem captar tanto ilícitos móveis quanto fixos, na terra e até mesmo em rios, como barcos.
O Esquadrão está desdobrado, atuando a partir de uma Base Aérea. Na Unidade foi montada uma estrutura chamada de Sala Móvel de Operações Aéreas (SMOA), que oferece toda a estrutura necessária para os militares do Esquadrão trabalharem. A SMOA tem computadores, internet, telefone, camas, ar-condicionado, entre outros itens. É nessa estrutura que os militares recebem e planejam as missões que irão executar, as quais são coordenadas no Centro de Operações Aéreas. Veja o vídeo.
Aeronave P-3AM
Além dos modernos sensores eletrônicos, a autonomia também é outro diferencial do P-3AM. O quadrimotor pode permanecer em voo durante 16 horas - o equivalente a uma viagem entre o Brasil e a Inglaterra sem escalas. Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância de longo alcance.
Segundo o comandante da aeronave na Operação Ágata 7, o P-3AM está em fase de implantação de missões de reconhecimento aéreo, busca e salvamento e de posto de comunicação no ar. O P-3AM já atua em missões de patrulha marítima e antissubmarino.


Fonte: Agência Força Aérea