terça-feira, 28 de julho de 2015

Estatísticas criminais de Tanabi são divulgadas pela Secretaria de Segurança Publica

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com.br
Foto: Nathalia Manzaro/SSP
Moraes ressaltou o trabalho conjunto das polícias Civil e Militar para a redução dos indicadores
Moraes ressaltou o trabalho conjunto das polícias
Civil e Militar para a redução dos indicadores
A Secretaria de Segurança Publica (SSP) divulgou na tarde de ontem, 27 de julho, as estatísticas criminais de junho e tendo os números do primeiro semestre deste ano. Alguns crimes tiverem resultados significantes em nossa cidade, mas alguns números são preocupantes. A Secretaria de Segurança divulgou os dados criminais do Estado, da Capital Paulista, das regiões do Interior e das cidades. O Blog Renan Contrera obteve com exclusividade os números de Tanabi.

Crimes como homicídio doloso (quando à intenção de matar), homicídio doloso por acidente de transito não tiverem registro nos primeiro semestre deste ano. Já o números de registros de lesão corporal dolosa teve 53 casos registrados isso é preocupante, pois os números de agressões estão aumentando.

Roubos de veículos no ano passado foi registrados 3 e neste ano até o momento não se teve registro. Mas os números de furtos tem aumentado até agora foram registrados 105 ocorrências em Tanabi. Os números de roubos foram 10 ate junho deste ano, no ano passado tivemos 8. O número de prisões em flagrantes teve 19, prisões efetuadas 32. O números de armas de fogos apreendidas se teve 4 registro.

Ocorrências de porte de entorpecentes esta tem vários registros ate agora 19 casos, comparando com o mesmo período do ano passado com 23 casos. E trafico de entorpecentes neste ano 9 e comparado com o mesmo período do ano passado teve 10 ocorrências.

Para o Secretario de Segurança Publica este números se da ao trabalho integrados das instituições. “Podemos atribuir os bons índices ao trabalho integrados das polícias, à proximidade com as instituições, como o Ministério Público, Poder Judiciário, municípios, guardas civis, sindicatos e, principalmente, com a sociedade”, explicou o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes.