sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Exército exalta virtudes de seu patrono em homenagem aos soldados brasileiros

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

Em cerimônia que contou com a presença do ministro da Defesa, Celso Amorim, o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, lembrou nesta sexta-feira as virtudes do maior e mais famoso praça brasileiro: Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias.
                                   
Fotos: Tereza Sobreira

“Inspirado em Caxias, o Brasil poderá contribuir ainda mais com a harmonia entre os povos e com a paz mundial, ampliando sua estratégia de cooperação”, disse o general Enzo, que ressaltou também a bravura, o patriotismo, a humildade, a generosidade e o nacionalismo do patrono do Exército.
As palavras foram pronunciadas durante solenidade alusiva ao Dia do Soldado, no Quartel-General do Exército, em Brasília. Celebrado em 25 de agosto, em homenagem ao próprio Caxias, a cerimônia serve também para a entrega da Medalha do Pacificador a autoridades civis e militares e organizações que, de alguma forma, elevaram o prestígio do Exército Brasileiro. Neste ano, mais de 300 personalidades foram agraciadas com a honraria que homenageia Duque de Caxias.
A celebração contou ainda com desfile de tropas do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), do 1º Regimento de Cavalaria de Guardas (1º RCGd), do 32º Grupo de Artilharia de Campanha (GAC), entre outros. Alguns grupamentos se apresentaram com uniformes históricos e canhões do século XIX.
Além do ministro da Defesa, o evento contou com a presença dos comandantes da Marinha, almirante Julio Soares de Moura Neto; e da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito. Compareceram também militares das Forças Armadas, adidos, autoridades civis, convidados, agraciados e familiares.
Medalha do Pacificador
A Medalha do Pacificador foi instituída pela Portaria nº 345, de 25 de agosto de 1953, como evocação às homenagens prestadas a Duque de Caxias, por ocasião do sesquicentenário de seu nascimento.
O Governo da República, em 1954, autorizou o uso dessa condecoração nos uniformes militares. A partir de 1955, transformou-se em insígnia.
Confira a lista completa dos agraciados com a Medalha do Pacificador de 2013

Leia a ordem do dia proferida pelo comandante do Exército, general Enzo

terça-feira, 20 de agosto de 2013

O MD INICIOU A CAMPANHA EM COMEMORAÇÃO AOS TRÊS ANOS DO ESTADO-MAIOR CONJUNTO DAS FORÇAS ARMADAS (EMCFA).

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), criado pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, absorve todas as referências legais e atribuições impostas ao extinto Estado-Maior de Defesa.

O EMCFA é um órgão de assessoramento permanente do ministro de Estado da Defesa na direção superior das Forças Armadas, competindo-lhe elaborar o planejamento do emprego conjunto da Marinha, Exército e Aeronáutica. A instituição tem como atribuição, também, prestar apoio ao ministro quanto à atuação de forças brasileiras em operações de paz e auxiliar as ações da Defesa Civil.

Além de participar diretamente nos planejamentos e na coordenação das ações de emprego das Forças Armadas – quer em missões isoladas, quer em missões conjuntas, inclusive com a participação de outros órgãos da administração federal, estadual e/ou municipal –, o EMCFA é o órgão do Ministério da Defesa encarregado de promover a unificação doutrinária, estratégica e operacional das três Forças, buscando ao máximo possível a interoperabilidade entre elas.


O EMCFA, subordinado ao Ministério da Defesa (MD), tem suas competências e atribuições estabelecidas na Estrutura Regimental do MD, aprovada pelo Decreto nº 7.364, de 23 de novembro de 2010, e funciona no mesmo prédio da administração central do MD, localizado no bloco Q da Esplanada dos Ministérios.

Missão

Assessorar o ministro de Estado da Defesa na direção superior das Forças Armadas, objetivando a organização, o preparo e o emprego, com vistas ao cumprimento de sua destinação constitucional e de suas atribuições subsidiárias, tendo como metas o planejamento estratégico e o emprego conjunto das Forças Singulares.

Visão

Ser reconhecido pela sociedade brasileira e pela comunidade internacional como o órgão do Ministério da Defesa que coordena as operações militares e a atuação dos meios empregados pelas Forças Singulares nas ações de defesa civil, atuando em consonância com os Comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.


terça-feira, 6 de agosto de 2013

Policia Militar de Tanabi registrou um homicídio neste final de semana

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

Neste final de semana a Policia Militar de Tanabi atendeu 64 ocorrências, sendo um homicídio e um trafico de entorpecente. Veja a estatísticas das ocorrências e os historicos.
Ocorrências atendidas: 64
Ocorrências elaboradas: 20
Multas aplicados: 34
Veículos recolhidos: 07

Homicídio 02 de Agosto de 2013 as 23h25 Bairro Cohab 02. Histórico: Por solicitação do COPOM, a equipe se deslocou ate o local dos fatos, onde em contato com L.H.G, avô da vitima e proprietário da residencia, o mesmo informou que chegou em casa por volta das 23h25, encontrou o portão trancado como é de costume, mas notou a porta da frente com dois furos, ao abri-la encontrou seu neto J.V.L  caído sem vida. Havia duas perfurações na porta da sala, provocadas por arma de fogo. Vitima estava alvejada por um tiro na cabeça. Compareceram no local o Delegado de Policia de Plantão Dr. José Luiz Barbosa, Investigador Adivaldo Cristal, Policia Cientifica perito Alexandre, Fotografo Julio e o carro de cadaver da Funerária Central.

ATÉ O FECHAMENTO DESTA REPORTAGEM NÃO FOI OBTIDO INFORMAÇÕES SOBRE A PRISÃO DO OU DOS AUTORES.

 Trafico de entorpecente 04 de Agosto de 2013 as 02h20 Prologamento da Rua Nilo Peçanha nº100. Histórico: Durante patrulhamento pelo Bairro Bom Jesus, a guarnição avistou o veículo Parati Verde, onde a condutora/indiciada K.M.F conversava com uma pessoa e ao vistarem a viatura, a pessoa evadiu-se do local tomando rumo ignorado e a indiciada tentou se evadir-se com o veículo, sendo abordada a poucos quarteirões do local, e com o apoio de outra viatura da Policia Militar, foi feito a vistoria no veículo e ao fazer busca nos seus pertences foi encontrado 0,074 gramas de crack, sendo que a maior parte estava embalada em varias porções pequenas para o consumo e R$ 165,00 (cento e sessenta e cinco reais) em notas de espécie e moedas variadas, e com o passageiro nada de ilícito foi encontrado. Diante dos fatos foi dada voz prisão em flagrante delito por trafico de entorpecente e conduzidos ate a Delegacia de Policia, onde foi ratificado a prisão pelo Delegado de Plantão Dr. Jose Luiz Barbosa Júnior que tomou demais providências.
                                  Foto: Policia Militar de Tanabi 
O material apreendido pela PM 

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Ministros avaliam positivamente a segurança da Jornada Mundial da Juventude

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com


Os ministros da Defesa, Celso Amorim, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, consideraram positiva a atuação das Forças Armadas e das instituições de segurança pública durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e a visita do papa Francisco ao Brasil.



A avaliação foi feita durante entrevista coletiva concedida pelos dois ministros na tarde desta segunda-feira, no Ministério da Justiça.
 
Na conversa com os jornalistas, o ministro Amorim enfatizou o espírito de coordenação das forças envolvidas. “Não houve perturbação da ordem e garantimos a segurança [do papa] sem constrangimentos”, avaliou.
 
Amorim também destacou a atuação da Defesa na segurança e proteção dos espaços aéreos e marítimos. Sobre a transferência dos eventos do Campus Fidei, montado em Guaratiba, no extremo oeste da cidade do Rio, para Copacabana, o ministro destacou a “flexibilidade dos órgãos de segurança em fazer as adaptações necessárias em 48 horas”.
 
No total, 13.723 militares das Forças Armadas atuaram na JMJ e na visita do pontífice em Aparecida (SP).
 
Os ministros também fizeram comentários a respeito da complexidade do evento, que reuniu características distintas de outros, como a necessidade de garantir a segurança de um chefe de Estado e, ao mesmo tempo, de um líder religioso carismático. “Foi um aprendizado como comando de coordenação”, declarou Amorim, que classificou como “excelente” a gestão compartilhada entre os órgãos responsáveis pela segurança da JMJ.
 
Veja, abaixo, os números dos efetivos e meios da Defesa empregados nos eventos.

Efetivos empregados

- 13.723 militares das três Forças Armadas (Rio de Janeiro e Aparecida-SP)

Meios empregados (apoio ao evento, defesa aérea e marítima)
- 22 embarcações da Marinha (seis navios, incluindo fragatas e navios-patrulha, e outras 16 embarcações de menor porte)

- 11 aeronaves da Força Aérea para apoio direto ao evento (helicópteros H-60 Black Hawk e VH-34/H-34 Super Puma, aviões C-130 Hércules, EMB 190 E e dois Vants RQ-450). Além dessas aeronaves houve emprego de outros meios aéreos nas operações de segurança durante o evento (Super Tucanos A-29, caças F5-M entre outros).

Exército Brasileiro participa da segurança dos eventos da JMJ em Copacabana

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

Nos dias 27 e 28 de julho, o Exército Brasileiro coordenou as ações de defesa e segurança da Peregrinação, da Vigília e da Missa de Envio, principais eventos da Jornada Mundial da Juventude, por meio do Centro de Coordenação de Defesa de Área do Rio de Janeiro (CCDA/RJ).


A Brigada de Infantaria Paraquedista (Bda Inf Pqdt) realizou as ações de segurança no eixo de peregrinação, desde o Centro até Copacabana, enquanto o Grupamento de Unidades-Escola/9ª Brigada de Infantaria Motorizada executou a segurança do altar, localizado na praia, e manteve a defesa nas estruturas estratégicas para evitar que atos criminosos pudessem prejudicar o evento. 



Militares da Artilharia Divisionária da 1ª Divisão de Exército permaneceram de prontidão para atuar como força de contingência e atender qualquer eventualidade. As tropas de operações especiais realizaram varreduras de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear nos locais por onde o pontífice passou e se mantiveram em prontidão para prevenção, repressão e combate ao terrorismo.




Comitiva do Ministério da Defesa visita o CCOPAB

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

No dia 29 de julho, uma comitiva do Ministério da Defesa (MD), composta por oficiais-generais da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira, visitou o Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB).


Na oportunidade, o Comandante do CCOPAB realizou uma explanação sobre a organização, missão e os trabalhos desenvolvidos pelo Centro, apresentou os cursos ministrados e as participações de militares brasileiros em missões de paz na atualidade. Em seguida, a comitiva pôde conhecer as instalações do CCOPAB, incluindo o Simulador de Combate (Sistema de Treinamento do Uso da Força Legal) e o Espaço Cultural Sergio Vieira de Mello, que possui as exposições “Rondon, Marechal da Paz”, “Esporte, Desenvolvimento e Paz” e “Missões de Paz”.

A comitiva do MD foi composta pelo Chefe de Operações Conjuntas, Tenente-Brigadeiro Ricardo Machado Vieira, pelo Vice-Chefe de Operações Conjuntas, General de Divisão Eduardo José Barbosa, pelo Subchefe de Operações, Vice-Almirante Luiz Henrique Caroli, pelo Subchefe de Logística Operacional, General de Divisão Paulo Sergio Melo de Carvalho, pelo Subchefe de Comando e Controle, Brigadeiro Ricardo Pucci Magalhães, e pelo Subchefe de Inteligência Operacional, Contra-Almirante José Luiz Correa da Silva.


Batalhão da Guarda Presidencial comemora 190 anos de criação

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

No dia 26 de julho, o Batalhão da Guarda Presidencial (BGP) comemorou 190 anos de criação. Oriundo da Imperial Guarda de Honra e do Batalhão do Imperador Dom Pedro I, o quartel foi transferido do Rio de Janeiro, onde era conhecido como Batalhão de Guarda, para a cidade de Brasília em 1960.

O BGP traz, do passado, o legado de realizar o cerimonial militar da Presidência da República e a segurança dos palácios presidenciais. Hoje, realiza também o cerimonial do Exército, guardas de honra para Chefes de Estado, embaixadores e autoridades militares estrangeiras e escolta de dignitários com seu Pelotão de Escolta Presidencial, além da apresentação da ordem unida sem comando dos Granadeiros, uma tradição da Infantaria dos tempos da Independência do Brasil.

O Batalhão ainda realiza Operações de Garantia da Lei e da Ordem no Distrito Federal e é responsável pela segurança das principais instalações do governo e do Comando do Exército, por meio da Companhia de Choque, mantendo as tradições sem descuidar da evolução. 

Nesses 190 anos de existência, o BGP, que teve como ex-integrante, o Marechal Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, Patrono do Exército Brasileiro, participou de diversos episódios da história do País. 

O evento contou com a presença do Comandante do Exercito, General de Exército Enzo Martins Peri, de oficiais-generais integrantes do Alto-Comando do Exército, de oficiais-generais e de convidados civis e militares.

Museu Aeroespacial comemora 40 anos

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

Aeronaves Mirage 3 e Xavante em exposição no MusalO Museu Aeroespacial (Musal) completa nesta quarta-feira 40 anos de criação. Maior e mais importante museu de aviação militar do Brasil, o Musal tem um acervo com cerca de 80 aeronaves militares e civis, além de motores, armas e objetos vinculados a história da Força Aérea e da aviação brasileira.
Na sexta-feira (2/8), o Museu vai comemorar o aniversário com a incorporação de duas aeronaves ao acervo: P-95 Bandeirulha e U-42 Regente. O evento vai ter também o lançamento de um livro sobre a história do museu e a inauguração de uma sala de exposição temporária com 30 quadros do artista Oscar Fraga.
Instituído por decreto no dia 31 de julho de 1973 pelo Ministro da Aeronáutica Salgado Filho, o Musal está localizado no Campo dos Afonsos, berço da aviação brasileira, na zona oeste do Rio de Janeiro.
O museu possui um hangar de restauração e 13 salas temáticas: Esquadrilha da Fumaça; “A força mulher”; Bartolomeu de Gusmão 300 anos; Ministro Salgado Filho; Busca e Resgate; Santos Dumont; “A FAB na guerra”; Primórdios da aviação brasileira; Embraer; Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro; exposições de motores, de armas e de simuladores.
Endereço:
Av. Marechal Fontenelle, 2000. Campo dos Afonsos - Rio de Janeiro (RJ).
Telefone:
(21) 2108-8954 / 8955.
Horário de funcionamento:
Terça a sexta-feira: de 9h às 15h.
Sábados, domingos e feriados: de 9h30 às 16h.
Assista ao programa FAB em Ação especial sobre o Musal:


Fonte: Agência Força Aérea

Há 70 anos, FAB afundava submarino nazista na costa do RJ

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com
SSSS. SIGHTED SUB SANK SAME. O código em inglês dizia "Submarino avistado e afundado". No dia 31 de julho de 1943, há exatos 70 anos, o então Aspirante Alberto Martins Torres foi o primeiro brasileiro a transmitir essa mensagem de vitória. O submarino nazista U-199 foi afundado a apenas 87 Km ao sul do Pão de Açúcar, cartão portal do Rio de Janeiro. 

Apelidado de "Lobo Cinzento", o U-199 foi responsável pela morte de pelo menos dez brasileiros. Eles eram tripulantes do navio pesqueiro Shangri-lá, afundado no dia 22 de julho de 1943 com tiros de canhão. O submarino também havia atacado o cargueiro americano Charles Wilson e afundado o navio britânico inglês Henzada, de 4 mil toneladas. Armado com canhões de 37mm e 20mm e capaz de portar 24 torpedos e 44 minas, o U-199 era, na época, uma das jóias tecnológicas da máquina de guerra nazista, projetado para ter um alcance suficiente para tentar interromper o fluxo de embarcações no Atlântico.

Enquanto o submarino caçava suas presas, tentava fugir de aviões e navios no seu encalço. E não era um alvo fácil. No dia 3 de julho, o U-199 foi avistado por um hidroavião PBM 3 Martin da Marinha dos Estados Unidos. A aeronave tentou atacar o submarino, mas acabou sendo abatida com tiros dos canhões de 37mm e 24mm. Toda a tripulação americana morreu. 

Naquela manhã de 31 de julho, o Aspirante Torres estava no comando de um hidroavião PBY-5 Catalina da Força Aérea Brasileira. Ele sabia que naquele mesmo mês uma aeronave havia sido abatida pelo inimigo, mas não teve dúvidas: após ser alertado pelo rádio, encontrou o U-199 e partiu para o ataque. 

"A menos de um quilômetro do submarino podíamos ver nitidamente as suas peças de artilharia e o traçado poligônico de sua camuflagem que variava do cinza claro ao azul cobalto", descreveu posteriormente no seu livro "Overnight Tapachula", lançado em 1985. O brasileiro manteve o mergulho e lançou seu armamento sobre o U-199. "A proa do submersível foi lançada fora d’água e, ali mesmo ele parou, dentro dos três círculos de espuma branca deixadas pelas explosões". Era o fim da linha para o "Lobo Cinzento".

Após voar baixo para evitar qualquer contra-ataque, o Aspirante Torres lançou um bote inflável para os tripulantes. Da tripulação de 61 homens, doze sobreviveram, entre eles o Comandante, o Kapitãnleutnant Hans-Werner Kraus. Eles foram salvos por um navio norte-americano e depois de passarem por uma prisão no Recife foram enviados aos Estados Unidos. O ataque contou ainda com a participação de um A-28A Hudson, pilotado pelo Aspirante brasileiro Sérgio Cândido Schnoor, e por um PBM 3 Martin da Marinha dos EUA.

Desde 1942, quando a Força Aérea Brasileira tinha apenas um ano de existência, vários pilotos brasileiros participaram de ataques a submarinos alemães e italianos. O Aspirante Torres, no entanto, foi o único que comprovadamente afundou uma embarcação desse tipo. O U-199 também foi o primeiro submarino do tipo IXD2 a ser afundado na guerra. Além das medalhas brasileiras, o feito também rendeu uma homenagem do governo dos EUA ao brasileiro, a Distinguished Flying Cross (Cruz de Bravura).

Tendo ingressado na Força Aérea Brasileira para ser Oficial da Reserva, Alberto Martins Torres combateu até o fim da Segunda Guerra Mundial. Após pilotar lentos hidroaviões na caça a submarinos, em 1944 ele foi voluntário para ingressar no 1° Grupo de Aviação de Caça e foi combater nos céus da Itália a bordo de aviões P-47 Thunderbolt. 

Mais uma vez, ele fez história. O então Tenente Torres é até hoje o piloto de caça brasileiro com maior número de missões reais: 100. Foram 99 voos para atacar alvos na Itália e um único defensivo: a proteção aérea de um jogo de futebol realizado em Florença entre combatentes brasileiros e ingleses. As missões na Itália renderam mais uma Distinguished Flying Cross, uma Air Medal (EUA) e uma La Croix de Guerre Avec Palme (França), além de diversas honrarias brasileiras, com destaque para Ordem do Mérito Aeronáutico.

Após a guerra, Alberto Martins Torres foi promovido ao posto de Capitão e saiu da Força Aérea Brasileira. A carreira na FAB foi uma aventura para o jovem criado por seus pais para ser Diplomata: antes de pilotar aviões, ele estudou no tradicional colégio São Bento e cursou o ensino superior em Filosofia e Direito, além de ser fluente em espanhol, inglês, alemão e turco. 

Alberto Martins Torres faleceu no dia 30 de dezembro de 2001, aos 82 anos. Suas cinzas foram jogadas no mar a partir de um avião C-115 Buffalo escoltado, por um lado, por aviões de patrulha marítima P-95 e, por outro, por caças F-5 do 1° Grupo de Aviação de Caça.
Leia mais sobre a caçada aos submarinos inimigos no Atlântico Sul. 
Fonte: Agência Força Aérea

Pilotos da Fumaça participam de curso sobre Gerenciamento de Recursos da Tripulação

Renan Contrera
renancontrera@hotmail.com

Fotos: Ten Cocate/EDA
Com o foco principal na segurança em voo, a equipe de pilotos do Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA) esteve envolvida no curso teórico de Gerenciamento de Recursos da Tripulação (CRM – Crew Resource Management), entre os dias 15 e 17 de julho, no auditório do Esquadrão.
Segundo o responsável, o chefe de Seção de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAA), Capitão Aviador Murillo Nagib de Oliveira Boery, as aulas foram realizadas de forma a reciclar as informações sobre o assunto, já que se trata de uma iniciativa que acontece anualmente. “O curso é importante para elevar o nível de consciência e atenção dos pilotos em momentos de voo”. 
O Capitão Boery explica que o CRM surgiu na década de 70, quando estudos da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) concluíram que acidentes aéreos continuavam a acontecer, mesmo com a presença de pilotos experientes, equipamentos confiáveis e aviões modernos. “Assim, a NASA percebeu que o fator humano era um dos principais causadores desses acidentes. Dessa forma, foram desenvolvidos treinamentos que atendem a diversas áreas, que são: Comunicação (ruídos que podem atrapalhar uma boa comunicação durante o voo), Dinâmica de equipe (trabalho em grupo que tende a atingir um objetivo em comum), Consciência situacional (se o tripulante está percebendo corretamente tudo o que está acontecendo ao seu redor no momento do voo) e Processo decisório (apresenta as ferramentas de como gerenciar as informações para chegar à melhor decisão).
O Capitão ainda acrescentou que esse primeiro curso foi voltado somente para os pilotos, mas as aulas também serão aplicadas, ainda durante este ano, para os mecânicos, mais voltado para gerenciamento de recursos durante a manutenção das aeronaves.  
Capitão Boery apresenta os conceitos do CRM para os pilotos
Capitão Marcelo palestra no curso de CRM
Capitão Garcia participa do curso de CRM para os pilotos